Quantos de nós somos "Capuchinhos Vermelhos"?

July 6, 2017

Temos muitas vezes a necessidade de ajudar os outros, colocando o nosso bem estar em segundo plano. Será esta atitude a mais acertada? Pensar nos outros, entregarmo-nos a cem por cento? No momento em que descuramos de nós próprios, então a resposta é definitivamente, não.

 

Este comportamento advém muitas vezes da tentativa excessiva que temos em agradar os demais, sendo o espelho de uma auto estima ferida. Colocarmo-nos em primeiro lugar não é, nem tem de ser rotulado de egoísmo, até porque só conseguimos verdadeiramente ajudar e dar nós se estivermos bem certo? Então chamemos-lhe amor próprio.

 

Já ouviu falar no complexo do “capuchinho vermelho”? Pois bem, este traduz-se precisamente nesta necessidade excessiva (patológica por vezes) de agradar os outros. Porquê “capuchinho vermelho”? Recorde-se da história. Uma menina que entra na floresta sozinha, exposta a vários perigos com um único objectivo, ajudar a sua avó.

 

Claro que, para ajudar os outros nos dias de hoje não precisamos de entrar em florestas ou andar por becos sombrios. O perigo que vos falo aqui, não é ele declarado e tão explicito, mas continua a existir. Falo do perigo de anularmos o nosso EU. Quando damos, fazemos ou gostamos mais dos outros, esquecemo-nos de nós, do que nos faz falta e das nossas vontades.

 

Quando vivemos a nossa vida, assumindo a capa de chapeuzinho vermelho na vida dos outros, priorizando os seus problemas e necessidades, não só os queremos verdadeiramente ajudar, como inconscientemente procuramos amor, bem como satisfazer a nossa necessidade de aprovação. O certo é que, sempre que isso não acontece atropelamos a nossa auto estima, sentimo-nos desvalorizados, tristes e frustrados.

 

Quantas vezes pensa “faço tudo para os outros e quando preciso não tenho ninguém” ou “tantas pessoas e sinto-me sozinho”? Acontece muitas vezes? Se sim, é porque dá demasiado aos outros, e nada a si. Ao fazê-lo tem a esperança que eles retribuam de volta (carinho, afecto, reconhecimento), preenchendo o vazio que sentimos (inconsciente ou não).

 

Podemos e devemos dar, mas na medida certa. Qual a medida certa perguntar-se-á. Aquela em que damos sem esperar nada em troca, sem medo de não ser aceite. Dar sem receio, sem a expectativa de se um dia aquela dará na mesma medida.

 

É importante conhecer-se, olhar para si verdadeiramente e reflectir sobre aquilo que lhe faz verdadeiramente falta. Qual a sua vontade? O que precisa? O que pode fazer por si própria?

 

Estas são perguntas que se deve fazer. Porque apenas nós somos responsáveis pela nossa felicidade e pela nossa vida, e sendo esse um aspecto tão importante não devemos delegar esta responsabilidade nas mãos de ninguém.

 

Olhar para dentro é uma tarefa difícil, exige trabalho, motivação, paciência, tempo e capacidade de resiliência, mas se nos queremos ajudar então, é imperativo que o façamos. Lembre-se que não podemos amar ninguém quando não nos amamos e valorizamos, quando não estamos bem connosco próprios.

 

Precisamos de assumir um compromisso sério connosco e só assim seremos realmente felizes. Sabe porquê? Porque escolhemos ser felizes, e essa decisão não depende de mais ninguém.

 

Vamos ser felizes? ;)

 

 

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

February 11, 2019

January 14, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

 211 317 783 |  919 606 321

Rua Martins Barata Nº5  
1400-038
Belém, Lisboa Portugal

  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Google ícone social Places

© 2015 Copyright All Rights Reserved