Violência Psicológica? Diga NÃO

August 6, 2017

Quando se fala em violência numa relação, temos tendência a pensar, quase de uma forma imediata, na agressão física. No entanto, não é preciso ser agredida fisicamente, para se estar numa relação violenta. Algumas palavras e atitudes magoam, destroem a auto estima e corroem-nos de uma forma indiscritível, deixando na sua grande maioria, danos irreparáveis.

 

A violência psicológica, é uma forma de violência que, por ser subjectiva é muitas vezes desconsiderada por quem a vive, sendo os seus sinais, por vezes, difíceis de identificar. Esta é um tipo de violência que, no seio de uma relação, se mascara de ciúmes, controlo, ironia, humilhação, ofensas, rejeição, depreciação, desrespeito, entre outros.

 

Não só é uma situação grave e intolerável, como quando permitida, têm tendência a piorar para agressões maiores. Verdade é que, este tipo de prática não deixam danos “visíveis”, e por isso, à semelhança da agressão física, a vítima tem vergonha de expor tal situação, isolando-se e por isso, tornando mais difícil de ser identificada e ajudada.

 

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) “alguns estudos nacionais mostram que até 70% das mulheres já foram vítimas de qualquer tipo de violência por parte de um parceiro íntimo”

 

Como identificar? A violência psicológica acontece quando...

  1. O seu parceiro/a insiste em tentar determinar e controlar qual a sua forma de pensar, agir, vestir e expressar-se;
     

  2. Critica-a/o constantemente por alguma coisa que faça ou em relação ao seu corpo/aspecto físico, por vezes em tom de “brincadeira”;
     

  3. Manipula e força-a a afastar-se dos seus amigos e/ou familiares, utilizando argumentos como “eles não prestam” e/ou “não querem saber de ti”;
     

  4. A expõe a situações humilhantes em público;
     

  5. A impede de ser você mesma

Consequências Psicológicas:

  1. Dificuldade em confiar em novos parceiros, criar laços e estabelecer relações interpessoais;

  2. Perturbações de Ansiedade, Ataques de Pânico;

  3. Angústia;

  4. Baixa auto estima;

  5. Irritabilidade;

  6. Depressão;

  7. Sentimento de incapacidade e/ou culpa;

  8. Sensação de vazio;

  9. Isolamento social

  10. Tentativa de suicidio.

Por isso, é necessário que não se deixe passar em branco, qualquer tipo de comportamento ou atitude deste género, na esperança que tenha sido apenas uma vez, acredite, foi e será sempre uma vez.

 

Caso se identifique ou tenha conhecimento de alguém que esteja a passar por este tipo de situações, não ignore. Procurar ajuda é fundamental e existem entidades competentes onde o pode fazer. Não está, nem precisa de passar por isso sozinho.

 

“Amor que é amor, não dói”

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

February 11, 2019

January 14, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

 211 317 783 |  919 606 321

Rua Martins Barata Nº5  
1400-038
Belém, Lisboa Portugal

  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Google ícone social Places

© 2015 Copyright All Rights Reserved